26 novembro 2013

'Evangelii Gaudium' amounts to Francis' 'I Have a Dream' speech

Dreams can be powerful things, especially when articulated by leaders with the realistic capacity to translate them into action. That was the case 50 years ago with Martin Luther King Jr.'s famous "I Have a Dream" speech, and it also seems to be the ambition of Pope Francis' bold new apostolic exhortation, "The Joy of the Gospel."
In effect, the 224-page document, titled in Latin Evangelii Gaudium and released by the Vatican Tuesday, is a vision statement about the kind of community Francis wants Catholicism to be: more missionary, more merciful, and with the courage to change.
Francis opens with a dream.
"I dream of a 'missionary option,' " Francis writes, "that is, a missionary impulse capable of transforming everything, so that the church's customs, ways of doing things, times and schedules, language and structures can be suitably channeled for the evangelization of today's world, rather than for her self-preservation."
 In particular, Francis calls for a church marked by a special passion for the poor and for peace.
 The theme of change permeates the document. The pope says rather than being afraid of "going astray," what the church ought to fear instead is "remaining shut up within structures that give us a false sense of security, within rules that make us harsh judges" and "within habits that make us feel safe."
Though Francis released an encyclical letter titled Lumen Fidei in June, that text was based largely on a draft prepared by Benedict XVI. "The Joy of the Gospel," designed as a reflection on the October 2012 Synod of Bishops on new evangelization, thus represents the new pope's real debut as an author.
 Early reaction suggests it's a tour de force.
 The text comes with Francis' now-familiar flashes of homespun language. Describing an upbeat tone as a defining Christian quality, for instance, he writes that "an evangelizer must never look like someone who has just come back from a funeral!"
           At another point, Francis insists that "the church is not a tollhouse." Instead, he says, "it is the house of the Father, where there is a place for everyone." At another point, he quips that "the confessional must not be a torture chamber," but rather "an encounter with the Lord's mercy which spurs us to on to do our best."
Francis acknowledges that realizing his dream will require "a reform of the church," stipulating that "what I am trying to express here has a programmatic significance and important consequences."
Though he doesn't lay out a comprehensive blueprint for reform, he goes beyond mere hints to fairly blunt indications of direction:
• He calls for a "conversion of the papacy," saying he wants to promote "a sound decentralization" and candidly admitting that in recent years "we have made little progress" on that front.
• He suggests that bishops' conferences ought to be given "a juridical status ... including genuine doctrinal authority." In effect, that would amount to a reversal of a 1998 Vatican ruling under John Paul II that only individual bishops in concert with the pope, and not episcopal conferences, have such authority.
• Francis says the Eucharist "is not a prize for the perfect, but a powerful medicine and nourishment for the weak," insisting that "the doors of the sacraments" must not "be closed for simply any reason." His language could have implications not only for divorced and remarried Catholics, but also calls for refusing the Eucharist to politicians or others who do not uphold church teaching on some matters.
• He calls for collaborative leadership, …
in NCR
Para ler o artigo na íntegra vá a: http://ncronline.org/news/theology/evangelii-gaudium-amounts-francis-i-have-dream-speech

Bucking Vatican, German Bishops Push Reform To Welcome Divorced Catholics

The Vierzehnheiligen Basilica is seen in Vierzehnheiligen near Bad Staffelstein in Bavaria, central Germany, Thursday, March 18, where the Freising Bishop conference was held to discuss the church abuses that happened in the past. The Archbishop of Munich and Freising Reinhard Marx said Catholic bishops in the southern German state of Bavaria ? the homeland of Pope Benedict XVI ? felt "deep consternation and shame" over the reports of abuse of children in church-run schools and institutions reve | ASSOCIATED PRESS
PARIS, Nov 25 (Reuters) - Germany's Roman Catholic bishops plan to push ahead with proposed reforms to reinstate divorced and remarried parishioners despite a warning from the Vatican's top doctrinal official, according to a senior cleric.

Stuttgart Bishop Gebhard Fuerst told a meeting of lay Catholics at the weekend that the bishops had already drafted reform guidelines and aimed to approve them at their next plenary meeting in March.

Readmitting twice-married Catholics to full membership in the Church is a pressing concern for Pope Francis, who has called a special synod of bishops next October to consider ways to do this despite Catholicism's rejection of divorce.

Fuerst was the most explicit of several German bishops to rebuff Archbishop Gerhard Mueller, head of the Vatican doctrinal office, who last month ruled out any change after Freiburg archdiocese in Germany unveiled its own reform proposals.

"We want to approve new guidelines at our plenary meeting in March," Fuerst told the Central Committee of German Catholics, an influential group of lay faithful, on Saturday in Bonn.

Catholics who divorce and remarry in a civil ceremony are barred from receiving communion under Vatican doctrine that applies to the worldwide Church. Many of them see this as a sign of rejection and drift away from the faith.

Fuerst said this complaint was one of the most frequent that German bishops have heard since they launched a broad drive to consult the faithful following a shocking wave of revelations in 2010 about sexual abuse of minors by priests.

"Expectations (of reform) are great, and impatience and anger are greater still," he said, adding that a working group of bishops has been debating the issue since then.


The Argentine-born pope addressed the issue in an outspoken news conference on his return flight from Brazil in July, saying the Church had to review its overall approach to failed marriages and would do so at the synod of bishops next year.

Catholicism teaches that marriage is indisoluble and can only be ended by an annulment, a Church ruling saying that proper conditions for marriage such as free will or psychological maturity did not exist when the knot was tied.

Freiburg archdiocese in southwestern Germany seemed to jump the gun last month when it released a guidebook saying a priest could readmit remarried divorcees to the sacraments if they proved to him their faith and commitment to the new union.

When the Vatican doctrinal chief Mueller ordered Freiburg to withdraw the guidelines, Munich Cardinal Reinhard Marx - one of the pope's top eight advisers - retorted that he "cannot end the discussion" and the debate would continue "on a broad scale".

Fuerst said the bishops drawing up the national guidelines would not issue a blanket pardon because Jesus himself had ruled out divorce. But they would propose ways for faithful couples to gain readmission to the sacraments.

The German Church, an influential voice in the Catholic world, has debated this issue since the 1980s.

When three bishops proposed reform in 1993, the Vatican's then doctrinal watchdog Cardinal Joseph Ratzinger - the future Pope Benedict - also rejected it. (Reporting By Tom Heneghan)
Reuters  |  By Tom Heneghan Posted:


Em Itália, os Bispos tentam estar ou em silêncio ou a boicotar a discussão sobre o inquérito. Por isso, o NSI-IT escreveu um comunicado de imprensa.
NOTA: Pedimos desculpa, mas não o pudemos traduzir.
   Via N. Benino 3   00122 Roma
    Via Soperga 36 20127 Milano
Tel. 3331309765 --+39-022664753                             Comunicato stampa
           E-mail vi.bel@iol.it
I vescovi italiani, disorientati, non si stanno impegnando seriamente a promuovere la consultazione sul questionario per il sinodo dei vescovi sulla famiglia. Nei fatti è una specie di boicottaggio.  
         Il questionario predisposto per la consultazione del Popolo di Dio in preparazione del Sinodo sulla famiglia del prossimo ottobre è un fatto nuovo e molto positivo. Per la prima volta in modo formale e generalizzato si riconosce che queste tematiche devono essere affrontate a partire dal vissuto di tutti i  credenti nell’Evangelo, donne, uomini e coppie, con le loro gioie e le loro sofferenze. La proposta di discutere di queste grandi questioni esistenziali, in particolare dei loro aspetti più difficili e controversi, apre il cuore alla speranza che finalmente non si proceda più nella Chiesa sulla  vecchia strada di precetti imposti e astratti dalla realtà, ma su quella che inizia dalla volontà di ascolto.
         Pensiamo che le risposte a un questionario troppo  complesso  ed anche in tempi troppo ravvicinati approfondiranno soprattutto le questioni più vissute e aggiungeranno alla domanda aperta n.9 quelle assenti, in particolare quelle riguardanti  le situazioni di violenza,  nella famiglia e nella società, che colpiscono soprattutto le donne  e anche i minori. Ci piace dire ciò oggi, Giornata internazionale sulla violenza contro le donne.
         Ciò detto, “Noi Siamo Chiesa” ritiene che la consultazione non debba essere ristretta agli organismi diocesani e neppure solo a quelli parrocchiali (consigli pastorali, ecc…), ma  coinvolgere la generalità dei credenti. Essa deve essere aperta anche ai cristiani e alle cristiane di altre Chiese nonché a donne e uomini di buona volontà, che siano sensibili alle tematiche relative alla spiritualità e interessati a offrire il loro apporto costruttivo su questioni che coinvolgono la vita e gli interrogativi etici di ogni persona. Per questo ci sembrano saggi quei  parroci che hanno deciso di mettere a disposizione nelle chiese i questionari e quei vescovi di altri paesi che hanno chiesto risposte on-line al testo.
         Ci dispiace constatare che le strutture della Chiesa italiana si stanno invece muovendo con  troppo ritardo e con evidenti reticenze. Il 23 ottobre il segretario uscente della CEI Mons. Mariano Crociata ha inviato tempestivamente, prima ancora che il questionario diventasse pubblico, una lettera ai vescovi per attivarli sulla consultazione. Ma troppe diocesi sono ferme o, peggio,  reticenti (a Bologna, per esempio, non è stata diffusa alcuna circolare ai parroci per sollecitarli a far conoscere capillarmente il documento). Un mese è stato perso, solo in questi giorni arrivano ai parroci indicazioni dalle Curie diocesane ed esse prevedono, a quanto ci risulta, l’intervento sul questionario al massimo degli organismi parrocchiali e, in certi casi, neanche di quelli. Lo stesso segretario generale del Sinodo Mons. Lorenzo Baldisseri ha riconosciuto questo ritardo nel nostro paese nell’intervista di oggi sul Quotidiano nazionale. L’Avvenire poi, con assenza di una benché minima professionalità, tace completamente dall’inizio sulla consultazione mentre è ben noto come sia pronto e assillante in altre “campagne”. Tutto ciò non ci sembra casuale, indica il disorientamento di molti vescovi. I tempi sono strettissimi, l’Avvento e il periodo natalizio sono già densi di impegni di ogni tipo. Ci chiediamo, allora, se non ci si trovi di fronte a un vero e proprio strisciante boicottaggio del questionario o, nel migliore dei casi, alla convinzione che si tratti solo di un dovere burocratico, inutile o quasi, da mettere in coda a tutti gli altri, necessario solo per non dire di NO apertamente al Vaticano.
         La nostra opinione è radicalmente diversa. Ogni sede del mondo cattolico, dalle associazioni alle riviste (per esempio “Il Regno”), ai siti internet, è buona per ricevere le risposte, per elaborarle correttamente o non elaborarle e trasmetterle direttamente alla segreteria generale del Sinodo, che è un terminale abilitato a ricevere i questionari anche dai singoli. La possibilità di inviare direttamente i questionari dovrebbe sempre essere fatta presente dai nostri vescovi. Sul questionario si pronuncino i teologi, le facoltà teologiche, gli insegnanti di religione, le comunità di religiose e di religiosi, anche i monasteri di clausura, ma soprattutto le madri e i padri di famiglia, le giovani e i giovani, gli  appartenenti alle minoranze sessuali, le coppie di ogni tipo e tutti quanti vivono in prima persona le tematiche esistenziali poste dal questionario. Anche i cristiani e le cristiane delle altre Chiese offrano, in spirito ecumenico, il loro apporto.
         “Noi Siamo Chiesa” elaborerà in tempi rapidi una propria risposta al questionario, accogliendo così la richiesta di Papa Francesco di una partecipazione la più ampia possibile a un'iniziativa di per sé storica. 
Roma, 25 novembre 2013                                                  





Eternal newness [11-13]


The scope and limits of this Exhortation [16-18]



Taking the first step, being involved and supportive, bearing fruit and rejoicing [24]


An ecclesial renewal which cannot be deferred [27-33]






No to an economy of exclusion [53-54]
No to the new idolatry of money
No to a financial system which rules rather than serves
No to the inequality which spawns violence
Some cultural challenges
Challenges to inculturating the faith
Challenges from urban cultures


Yes to the challenge of a missionary spirituality [78-80]
No to selfishness and spiritual sloth
No to a sterile pessimism
Yes to the new relationships brought by Christ
No to spiritual worldliness
No to warring among ourselves
Other ecclesial challenges


A people for everyone [112-114]
A people of many faces
We are all missionary disciples
The evangelizing power of popular piety
Person to person
Charisms at the service of a communion which evangelizes
Culture, thought and education
II. THE HOMILY [135-144]

The liturgical context [137-138]
A mother’s conversation
Words which set hearts on fire


Reverence for truth [146-148]
Personalizing the word
Spiritual reading
An ear to the people
Homiletic resources


Kerygmatic and mystagogical catechesis [163-168]
Personal accompaniment in processes of growth
Centred on the word of God



Confession of faith and commitment to society [178-179]
The kingdom and its challenge
The Church’s teaching on social questions


In union with God, we hear a plea [187-192]
Fidelity to the Gospel, lest we run in vain
The special place of the poor in God’s people
The economy and the distribution of income
Concern for the vulnerable


Time is greater than space [222-225]
Unity prevails over conflict
Realities are more important than ideas
The whole is greater than the part

Dialogue between faith, reason and science [242-243]
Ecumenical dialogue
Relations with Judaism
Interreligious dialogue
Social dialogue in a context of religious freedom



Personal encounter with the saving love of Jesus [264-267]
The spiritual savour of being a people
The mysterious working of the risen Christ and his Spirit
The missionary power of intercessory prayer


Jesus’ gift to his people [285-286]
Star of the new evangelization

1. THE JOY OF THE GOSPEL fills the hearts and lives of all who encounter Jesus. Those who accept his offer of salvation are set free from sin, sorrow, inner emptiness and loneliness. With Christ joy is constantly born anew. In this Exhortation I wish to encourage the Christian faithful to embark upon a new chapter of evangelization marked by this joy, while pointing out new paths for the Church’s journey in years to come.


2. The great danger in today’s world, pervaded as it is by consumerism, is the desolation and anguish born of a complacent yet covetous heart, the feverish pursuit of frivolous pleasures, and a blunted conscience. Whenever our interior life becomes caught up in its own interests and concerns, there is no longer room for others, no place for the poor. God’s voice is no longer heard, the quiet joy of his love is no longer felt, and the desire to do good fades. This is a very real danger for believers too. Many fall prey to it, and end up resentful, angry and listless. That is no way to live a dignified and fulfilled life; it is not God’s will for us, nor is it the life in the Spirit which has its source in the heart of the risen Christ. ...
Para ler este texto em inglês ou noutra língua ir a:  http://www.vatican.va/phome_po.htm ou: http://www.vatican.va/holy_father/francesco/apost_exhortations/index_po.htm

24 novembro 2013


1. Não há só um modelo de família. Ao longo dos tempos e segundo a diversidade de povos e culturas, os historiadores e os antropólogos podem testemunhar tanto a pluralidade das suas formas como a sua presença constante. Mesmo hoje, em Portugal, apesar da maior fragilização dos laços conjugais, o aumento dos divórcios, a diminuição dos casamentos e dos filhos, a família apresenta-se, do ponto de vista da realização e da estabilidade emocional, a grande referência. Mais de 70% dos portugueses continua a associar a felicidade à vida em casal. O fim de uma relação não põe em causa esse ideal, embora seja vivido em novos cenários[1]. É sugestiva a descrição que alguns sociólogos espanhóis fizeram do ciclo vital dos nascidos no ano 2000. Antigamente, o ciclo vital constava de três ou quatro etapas, agora, de modo mais complexo e diluído, pode estender-se a nove.

         A experiência vital começa, para muitas crianças, com o cenário, feliz e curto, de um lar normal, de um filho pequeno com os seus pais. A esta breve etapa, segue-se outra, um pouco mais longa: esta mesma criança vivendo só com a mãe, separada ou divorciada. Uma terceira experiência é, talvez, a de um adolescente vivendo num novo lar com a sua mãe recasada e com uma figura menos atractiva, a de um pai adoptivo ou padrasto. Chegado à maioridade, esse jovem unir-se-á à sua noiva, vivendo com ela em união de facto. Num quinto ciclo vital, a maioria destes jovens acaba por se casar com o seu par e, depois de poucos anos, entram na sexta etapa, a dos divorciados. Irão passar por um tempo de solidão, mas voltam a casar. Chegados a esta etapa de maturidade, ficarão viúvos e irão para um lar ou residência de terceira idade, onde, esporadicamente, o filho ou a filha ou o neto o irão visitar[2].

2. Perante esta situação – com esta ou outras configurações – a “Pastoral da Família” pode ser tentada por um regresso ao passado que já deu quase tudo o que tinha a dar e se tornou inabitável. O cristianismo, aliás, não é a nostalgia de um paraíso perdido, mas a saudade de um futuro de transfiguração. É verdade que muitos pais, ao não desejarem reproduzir um mundo em que nem sempre foram felizes, não encontraram as alternativas que imaginavam. Por outro lado, certa educação liberal, preocupada em não impingir valores convencionais, deixou os jovens abandonados a si mesmos ou como se diz, com desencanto, obrigados a não acreditar em nada.

A Pastoral da Família não se destina a restaurar uma herança em ruinas e algo idealizada, por isso é ainda mais necessária e urgente. Deve ser mais exigente. Além do esforço para estabelecer laços estimulantes entre gerações, tem de saber escutar, acompanhar, dialogar com todas estas novas formas de viver em casal, propondo a descoberta existencial da hierarquia de valores, sem tentar impor o que só pode ser escolhido.

A pergunta a que temos de responder, por obras e palavras, é esta: que podemos nós, Igreja - de solteiros e casados, de casados e recasados - aprender com estas novas experiências onde o bem e o mal, o santo e o perverso, os êxitos e os fracassos humanos andam sempre mais ou menos misturados? Que caminhos abrem estas realidades a outras formas de viver o Evangelho?

Os casais cristãos – os que não se julguem o casal-modelo – em vez de guardar a sua experiência num cofre-forte familiar, como diz o Papa, podem estimular as novas gerações a desenvolver uma espiritualidade que não tem necessariamente de reproduzir as mais recomendadas no mercado religioso do passado e no mundo clerical. Alguém dizia que as homilias dos padres, nos casamentos, oscilavam entre as tentativas apoetadas e as apatetadas, tendendo todas para um moralismo sem ética praticável.

As apresentações da doutrina católica da família tendem a mostrar um itinerário que arranca do Antigo Testamento e vem até aos nossos dias como uma auto-estrada, com raros e pequenos desvios. A ocultação das sombras e do escuro não favorece a verdade.

O papa Francisco sabe que as questões da contracepção, da coabitação, do divórcio, das novas uniões, das uniões entre pessoas do mesmo sexo, a adopção de novas tecnologias de fertilidade, etc., apresentam dificuldades que não podem ser resolvidas de forma abstracta, com mais ou menos tolerância ou intolerância. A consulta que desencadeou é mais do que um inquérito. Sendo um método de dinamização de toda a Igreja, não se espere que fique tudo resolvido no Sínodo.

3. Jesus Cristo nasceu e cresceu numa família de cultura e religião judaicas. As narrativas do Novo Testamento não ocultam o longo contencioso que viveu com esta instituição. A fonte das suas reacções mal-humoradas acabam por ser o seu maior elogio. O desígnio de Jesus era lançar a corrente do mundo família: reunir todos os filhos de Deus dispersos. Não aguentava que a sua família o quisesse prender ao modelo que ele queria superar. Não suportava, por outro lado, que o direito mosaico fosse invocado para abandonar a mulher aos caprichos do marido[3].

A família será sempre uma feliz controvérsia.

         Frei Bento Domingues, O. P.


In Público

[1] Cf. Família em Portugal Social de A a Z, p 76, 2013
[2] Cf. Fernando Vela López (or.) Atentos a los giros del mundo, San Esteban, Salamanca 2006 p185
[3] Cf. Jo 11, 52; Mc 3, 20 e 31-39; Mt 19 1-12

23 novembro 2013

A advogada da lua

Já se completaram quarenta anos sobre o aparecimento de um álbum de música com o nome The dark side of the moon. Título interessante a chamar a atenção para uma realidade escondida, esquecida, desconhecida. Letras simples e música diferente com o nome de rock progressivo. Eram os Pink Floyd. Em tempos de progressismo e algum progresso havia também grandes involuções. Nesse mesmo ano deu-se a hecatombe do 11 de Setembro no Chile, acontecendo também na Argentina, Uruguai e noutros lugares. Mas também aconteceu o 25 de Abril em Portugal e a queda de ditaduras em países como a Espanha e a Grécia. Nada mais simbólico que a lua, ao mesmo tempo realidade e metáfora, para exprimir acontecimentos tão opostos no planeta terra a quem a lua nunca mostra o seu lado negro. Ao menos ela tem o sentido da decência e boa educação sem hipocrisia. Não há muito tempo alguém dirigiu até mim um jovem casal para os ajudar num trabalho de comunicação social sobre questões religiosas relacionadas com a Serra da Lua, perto de Lisboa. Lá disse o que sabia e eles já sabiam muito: o solstício de verão com tradições culturais e religiosas sobrepostas nos cumes femininos, dizem, da misteriosa serra de Sintra. E há uns dias uma rapariga disse-me com uma atitude descontraída e divertida: entre tantas coisas e causas, veja lá que até já começo a sentir-me advogada da lua. E explicou: há um lado da lua que não pode ser visto da terra, lado escuro ou escondido. À conta disso começaram as analogias ao lado oculto do ser humano, o tal avesso ou negro. Com a passagem para as sociedades patriarcais o macho sol também passou a ter supremacia. Daí o lado solar ser o bonitinho da fita. A lua e as características femininas que lhe são atribuídas foram difamadas. Não pode ser, acho que me vou tornar também advogada da lua. Esta afirmação tem um toque do subtil humor que lhe é próprio mas também contém uma firme opinião. Depois de pensar em tudo isto fui ler o texto do final do ano litúrgico em que se celebra o fim dos tempos (Lc 21): “Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra a aflição e a angústia apoderar-se-ão das nações pelo bramido do mar e das ondas. Os homens definharão de medo, na expectativa dos males que devem sobrevir a toda a terra. As próprias forças dos céus serão abaladas”. Isto é assustador, mas na perspectiva dos evangelhos não deverá ser. Ainda há gente assustada com o fim do mundo ou à espera do fim dos tempos. Outra, com pensamentos um pouco antiquados dirá que se trata de fantasias, escritos arcaicos para controlar as pessoas através do medo, ou então alucinações diante da ideia da finitude. Dado o realismo das personagens que andam pelos evangelhos, não me parece nada disso, pelo contrário creio que se trata de um discurso para o mundo presente, aquele em que estamos, e com uma perspectiva bastante positiva. Na verdade a maioria de nós já assistiu a vários acontecimentos desses, fins de tempos e fins de mundos. Em determinados momentos é um pouco arrepiante, mas acaba por ser sempre uma abertura para outros mundos e outros tempos. Por vezes negros, é certo, mas muitas vezes iluminados de futuro. A lua é realmente uma boa metáfora: ora lua cheia ou quarto crescente, ora quarto minguante ou lua nova. Na dança ou no ritmo das luas habita a esperança do fim dos tempos negros e o recomeço de um mundo ou de tempos em que as figueiras brotarão novamente, as videiras terão cachos mais uma vez e o ser humano acolherá o sol como resplendor a iluminar um certo futuro. O sol, digo eu, numa expressão simplista, pois devemos ter em consideração que “o luar é a luz do sol que está sonhando”. Sendo assim vou mudar de expressão: deve ser especialmente agradável ter o futuro iluminado pelo aveludado mistério da lua nas suas várias fases e no seu lado inacessível ao nosso olhar. Mistério onde podemos sonhar, imaginar e também edificar um mundo a vir, ainda que sobre os escombros de mundos acabados.

Frei Matias, O.P.


22 novembro 2013

Questionário para o Sínodo da Família

  Resposta ao Inquérito sobre a Família

 Como tem sido noticiado, de 5 a 19 de Outubro de 2014, os bispos do mundo inteiro estarão reunidos no Vaticano, em Assembleia Geral extraordinária, para debater o tema “Os Desafios Pastorais da Família no contexto da Evangelização.” Extraordinário, surpreendente e precursor de um novo tempo na Igreja é o apelo do Papa Francisco ao Povo de Deus, em forma de convite, para que responda ao inquérito sobre a realidade familiar. À oportunidade de expressão que nos é dada, temos o dever de corresponder, cumprindo. Desde já.

O NSI-PT sugere a tod@s @s interessad@s  que respondam a este inquérito  através do blogue Religionline pois poderão fazê-lo até ao fim de Dezembro e expressar as vossas opiniões, como pode ver abaixo. 

Os responsáveis do blogue RELIGIONLINE, António Marujo, Joaquim Franco e Manuel Pinto, comprometem-se a fazer chegar todas as respostas recebidas através deste meio à Conferência Episcopal Portuguesa, ao cardeal Péter Erdõ, relator da assembleia extraordinária do Sínodo dos Bispos, e aos bispos Lorenzo Baldasseri e Bruno Forte, respectivamente secretário-geral do Sínodo e secretário especial da assembleia de 2014, e ainda à Nunciatura da Santa Sé em Lisboa.

 Para responder ao questionário para o Sínodo da Família, vá ao site Religionline:
Curtas indicações práticas: (1) no início, acrescentámos alguns dados de identificação, que sugerimos sejam também respondidos; (2) cada resposta tem espaço suficiente para textos longos, mas será bom que as respostas sejam tão sucintas quanto possível; (3) no final do inquérito, há uma caixa com indicação "enviar", que remete as respostas directamente para um mail deste blogue; (4) as respostas devem ser dadas até final de Dezembro.

   PARA RESPONDER AO INQUÉRITO, também pode ir a a:




17 novembro 2013

Ideologia do género

Li com interesse o texto emitido pela Conferência Episcopal a propósito da ideologia do género, mas também com alguma perplexidade: numa altura em que o Papa Francisco declara que necessitamos de uma teologia mais profunda sobre as mulheres e sobre a sua missão no mundo e na Igreja, os nossos bispos, todos do género masculino, por razões culturais, ou seja de género, que agora não temos tempo de abordar, acharam necessário produzir um documento longo e complexo. Quem o vai ler?

Nele procuram combater o que intitulam de ‘ideologia do género’.  Poderei afirmar que tal é, até, positivo porque é sinal que começam, finalmente, a reconhecer, mesmo que inconscientemente, por enquanto,  que a Igreja como instituição, desde há quase 2000 anos, atribui às mulheres uma especificidade especial de género, que não de sexo. Especificidade essa que nos atribui qualidades e características,  que mais uma vez surgem neste documento, baseadas em construções sociais,  ou de género, e não por respeito pela obra de Deus. Esta especificidade de género que nos tem sido atribuída pela parte masculina da Igreja tem servido para justificar a nossa menoridade na esfera eclesial.

Porque somos mulheres, ou seja do género feminino, estamos excluídas dos lugares de serviço, dos lugares de decisão, dos ministérios ordenados. Somos tão maravilhosas e, no entanto, não servimos para certas funções. Ao lermos os Evangelhos não encontramos nada deste temor de Jesus face às mulheres – tudo o contrário. Jesus muito claramente veio dizer por palavras e por actos que reconhecia e admirava a obra de Deus – a plena igualdade de mulheres e homens, a plena inclusão de todas as criaturas, o pleno respeito pela diversidade.  O amor pela pessoa à minha frente, seja qual for o seu sexo, a sua idade, a sua condição, a sua orientação sexual -  o principal dos mandamentos. A minha perplexidade continua – porque terão tanto medo de nós? Há tanto a fazer pelo bem de todas as pessoas. Porque perdem tempo com a suposta ameaça da ‘ideologia do género’?

Ana Vicente – Membro do Movimento Internacional ‘Nós Somos Igreja’ - Portugal


      Segundo o Pew Research Center (PRC), o centro de sondagens mais respeitado, em assuntos religiosos, em cada dez pessoas, oito são religiosas. Mais de 80% da população mundial faz parte de uma religião organizada. A religião mais numerosa continua a ser o cristianismo. Conta com 32% da população mundial. Segue-se o islão com 23% e o hinduísmo com 15%. Enquanto o cristianismo e o islão estão em vários pontos do mundo, o hinduísmo concentra-se quase exclusivamente na Índia. Metade de todos os cristãos é católica romana, 37% são protestantes e 12% ortodoxos.
Estas realidades estão sempre em recomposição, mas indicam que as religiões não estão para acabar tão cedo. Têm-se revelado até mais resistentes do que as repetidas desqualificações críticas a que têm sido submetidas. Muitas vezes com razão. De reveladoras do sentido da vida, de fontes de renovação da esperança, de resistentes ao niilismo, abrindo horizontes ilimitados tornaram-se, por manipulações várias, instrumentos do medo. Deixaram-se envolver em absurdas guerras e torturas, dando campo livre ao fanatismo em nome de Deus.
De religião para religião, as formas de expressão simbólica e ritual, as normas que as regem, as exigências éticas a que obedecem são muito diversas. As interrogações, as perplexidades e as dúvidas suscitadas pelo mistério de existir nem sempre desaguam nas respostas que as diferentes religiões codificaram. O Espírito de Deus sopra onde, quando e como quer. De qualquer modo, as formas religiosas e as suas instituições são para o ser humano e não o contrário. O teste de autenticidade das celebrações litúrgicas, das vivências espirituais e das experiências místicas, dentro e fora das instituições, prova-se na relação com os excluídos.
2. Os números, no campo religioso, só por si, não revelam – podem até ocultar – a saúde espiritual ou as crises que o atravessam. No mundo católico, há muitas vozes a reclamar mudanças e também se nota que algumas temem que o Papa Francisco comece a duvidar da infabilidade do seu magistério. Ninguém espera que, ao procurar saber como vivem e pensam os membros da Igreja, seja para fazer o rol dos erros a combater, uma espécie de reedição actualizada do Syllabus de Pio IX (1864). É mais provável que ele acredite que o sentido da responsabilidade pela vida cristã não seja um monopólio de bispos e padres e queira conhecer a sensibilidade actual dos católicos.
 O melhor lugar para fazer a leitura dos sinais dos tempos não é, necessariamente, o Vaticano. Há muitos mundos no mundo, muitas comunidades cristãs e muitas sensibilidades católicas. Não há nenhum boletim meteorológico especializado em indicar a temperatura da fé, nas diferentes regiões da terra. Nada como escutar as experiências das pessoas, das famílias, dos grupos, das comunidades espalhadas pelo mundo. Não basta.
3. Está convocada, para Outubro de 2014, a III Assembleia geral extraordinária do Sínodo dos Bispos destinada a enfrentar os desafios da família, no nosso tempo. Será que os bispos e o Papa já não acreditam na doutrina que elaboraram, tão segura e clara, a partir da indissolubilidade do matrimónio? Será que pretendem informar-se da sorte desta doutrina, na sociedade e na Igreja?
Se fosse apenas uma questão de informação, nada como encomendar um inquérito a um instituto internacional especializado, com garantias científicas. Se fosse para dar a conhecer a Doutrina católica, não era preciso tanta pergunta. O que se pretende afinal?
Era costume dizer que onde está o bispo, está a Igreja. Com os Bispos reunidos em Sínodo com o Papa, não é preciso interrogar a Igreja!
Ou muito me engano, ou este processo é o começo de uma revolução. Não se pede aos católicos que estejam com os Bispos e o Papa. O que se procura é que os Bispos e o Papa estejam com a Igreja. Com a parábola do Bom Pastor não se pretende que as ovelhas estejam com o pastor, mas que este esteja com o rebanho. É por isso que não se trata aqui apenas de um inquérito de opinião. É, sobretudo, a oportunidade de que a leitura dos sinais dos tempos referentes à situação actual da família seja feita pelo conjunto da Igreja. O processo desencadeado faz supor que o Papa e os Bispos nada querem fazer sem as comunidades cristãs. A não ser assim, estariam a enganar o laicado e a desobedecer ao grande princípio: aquilo que a todos diz respeito deve ser tratado por todos.
Não julgo que este processo possa dar azo a cisões na comunidade católica. Se todos puderem falar e ouvir chegar-se-á à conclusão de que a Igreja sempre foi construída por várias tendências. A arte dos pastores consiste em encontrar os meios, os caminhos de diálogo para estimular a comunhão na diferença.
Muito cedo na Igreja foi preciso reunir um concílio, para ser possível extrair do conflito novos horizontes e novas práticas, no seio da mesma Igreja (Act 15). Vai sendo tempo de pensar no Vaticano III. Que este Sínodo sobre a problemática actual da família seja um bom ensaio.

in Público 17.11.2013